Literatura filosofia humor poesia



sábado, 22 de dezembro de 2007

I'm tired of
Chasing Cars*,
Grant my
Last Request**



Se eu
deitar
aqui -

Se eu só deitar aqui -

Você deitaria comigo...?*



Conceda meu último pedido e só me deixe segurá-la, Não erga seus ombros - Deite ao meu lado. Certamente posso aceitar que estamos indo a lugar nenhum, Mas uma última vez vamos lá - Deite ao meu lado.
Descobri que estou destinado a vagar por aquela longa estrada, E percebi tudo sobre suas mentiras. Mas eu não sou mais sábio que o bobo que antes era. Eu só quero você mais perto, tudo bem? Baby, vamos nos aproximar hoje à noite... Diga-me como poderia, como isso poderia ser errado?**

mão firme no leme, meus companheiros!
olhar úmido ao horizonte, timoratos timoneiros!
não estais sentindo que quase estamos
chegando ou saindo de um alegre porto?

Não me dêem indícios a pensar que só falo aos mais humanos seres que já cruzaram de Gaia o caminho. Pois que os canídeos, esses já são quase os únicos que se deitam ao nosso lado - e eles não precisam de nossas tolas palavras, nos entendem sem elas. Pouco tenho a falar aos mais nobres, que demonstraram tamanha capacidade de empatia a ponto tal de empatizar com aqueles que, tendo o poder para ser os mais inteligentes e sábios dos seres, conseguem ser os mais ignorantes deles, se analisarmos a sua perniciosidade, sabotadora de toda a vida, inclusive a própria.

Porque, antes a melhorar o melhor, prefiro melhorar o pior. É um trabalho cuja conveniência é mais premente: de que tamanho proveitoso efeito seria descobrir um cintilante sabor de um novo molho, se para além das grades daquilo que se convencionou chamar de lares, famintos amigos espreitam a nossa rica indiferença dispostos a nos fazer justiça? E crueldade menos é matar para comer (tanto menos roubar para comer), o que todos os animais fazem, do que distrair-se, alienar-se*** para deixar morrer.

É neste sentido que melhorar menos é refinar do que engrossar. Como não entendemos isso em plena era da massificação?

Fácil eu posso aceitar que estamos indo à mais estúpida morte, mas, uma vez mais, vamos tentar engendrar a vida.

------
* Snow Patrol. Eyes Open. A&M, 2006. Faixa 3. "If I lay here - If I just lay here - Would you lie with me...?"

** Paolo Nutini. These Streets. Atlantic, 2006. Faixa 2. "Grant my last request and just let me hold you, Don't shrug your shoulders - Lay down beside me. Sure I can accept that we're going nowhere, But one last time let's go there - Lay down beside me.
I've found that I'm bound to wander down that long way road, And I realise all about your lies. But I'm no wiser than the fool that I was before. I just want you to closer, is that alright? Baby let's get closer tonight... Tell me how can, how can this be wrong?"

***literalmente tornar-se alheio.

Nenhum comentário:

Receba atualizações por e-mail (vá, não são mais de 2 posts por mês)