Literatura filosofia humor poesia



quarta-feira, 30 de setembro de 2009



Onde estavas, Lugar?

Onde está você? De olhos cerrados lhe conheci. Mas quem é você? De olhos fechados me amaste. Foste clara e me esperaste quando eu quase nem mais tentava, de não mais acreditar. O que você passou? Você teve duas doenças e eu nem sei. Talvez três. O que passou por você? Eu te acolhi sem te ouvir ou entender. E eu queria aquela cor que a tua luz oferece ao que acontece. Eu quero aquele teu viço misterioso que nutre as plantas, que parece que crescem por você, e te abanam e te aconchegam. Não pude entrar em ti porque nunca sairia desse labirinto, sendo pétreo, mesmo leve como o ar. Não sei se posso te ter, não sei se esse é mais um texto que não mandei pra você. O que passou? O que passou por nós? Tenho medo de entender. Tenho medo de não conseguir e de conseguir. Tenho medo de cegar-me e de fechar os olhos por muito por não suportar. Tenho medo de tua doçura porque não tenho armas contra ela. Talvez foi teu sonho que me enlouqueceu. E me deixou acordado de pavor. E querendo com ânsia o impossível, como se num instante eu encontrasse o que me bastava para sempre, como se encontrasse o que me bastava para sempre de uma só vez. Nesses momentos era hora de minha infância acordar e suspirar perdida, e querer voltar a dormir para ter enganos doces onde estar extasiadamente satisfeito para sempre fosse possível, e saber que é preciso acordar para não deixar de procurar, não deixar a busca morrer, porque o tesouro está além e o pequeno fim de nós mesmos deve ser mesmo pequeno diante de tudo aquilo que se quer. E agora eu precisei falar contigo e dormias como um anjo que tu és. E tua mãe, judiciosa, não quis te acordar, e tampouco eu pude hesitar. E queria todas as cores do teu delírio, o que fez minhas órbitas marejarem e meu corpo tremer. O perigo que corro é depois de tudo o que fizer você não conseguir gostar de mim. Isso seria aterrador.
Onde é esse lugar, que é você?
Até tentei te ignorar. Depois até tentei esquecer. No entremeio, tentei fingir. A todo tempo, tentei fugir. E depois me olhavas como se eu fosse impossível... E já não havia onde esconder o tesouro, o tesouro que eu era, sem saber mas com todo o meu esforço inepto. E tua força erguias como um sol e era sólida como uma montanha, mesmo naquele olhar iludido... E tua voz me enlouquece, teu olhar me enlouquece, e eu choro apenas ou por um triz não choro, e quando te encontro fico histérico. Às vezes o que sinto ou não sinto é tão estranho que eu me assusto, e realmente receio ter perdido o tino. E tudo o que posso verdadeiramente perder é aquilo que você não sentir. Eu te amo mais do que posso escrever. E escrever é a coisa que mais sei fazer na vida. Eu te amo menos do que posso escrever. Eu te amo como não posso escrever. E quanto mais eu peço, em prece, que não sejas perfeita, mais o és, e quando rogo, por misericórdia, para que me abandones, tua imagem se fixa em minha mente escura e silente e não se apaga porque és a última luz, impossível de apagar, e eu fico obcecado perdendo as horas em devaneio, e a fome é pouca, o sono se esquece. Nesse consumidor instante és a tênue separação entre a vida e a morte. Entre o abandono absoluto ao nada e a esperança, parva, frívola, somente a necessária, mas ainda a impossível. Às vezes desejo ser cego, porque te ver é um suplício, mesmo a mim que entendo tudo sobre a felicidade. Te imaginar é insuportável. Mas a luz na minha mente só se apagaria junto comigo. Eu me ausento porque às vezes tuas lágrimas são a única coisa que faz sentido. E você me pediu pra eu te fazer chorar, e eu, que entendo tudo sobre a felicidade, não entendi o teu pedido. Quando me pediste pra te fazer chorar, eu te fiz sorrir. Perdi meus sentidos, e aquela fraca luz inebriou a sanidade.
Queria que se curasse essa vontade de solidão, ou só esse silêncio.
Viro um idiota e não quero que você vá embora. Querendo desesperadamente o que sei com toda a certeza que é impossível, apenas porque minhas fraquezas foram mais fortes do que eu, tomaram conta e aboliram a escolha. Gostaria de me perder em ti e que isso não fosse loucura... mas creio que só pensar isso já seja. Não sei mais pensar. Ficou difícil respirar de repente.
Fico tonto, a consciência torna-se insuportável. É difícil te amar. E por todos os momentos em que eu precisei de você... e talvez precises de mim... Pavor, pavor, pavor.

Longe

7 comentários:

Luciane disse...

Que bonito. Adorei a idéia de considerarmos alguém um lugar; um lugar que desejamos estar. E como é dificil quando esse lugar foge da gente. Muito bom! Devias escrever mais aqui!

Daniel Dutra disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Decadentissimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Daniel Dutra disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daniel Dutra disse...

Tão prolixo... Ainda assim parece parado, de braços abertos, com um 'por quê' nos olhos, sem nada dizer. É doce.

Guilherme Franco disse...

Nunca apagaria um comentário, a menos que a pedido. Nunca apagaria um comentário, ainda que repetido. Ainda que errado ou corrigido. Só pra deixar isso claro, e te deixar bem-vinda e bem-vindo.
Aqui, em qual lugar?

Angelita Machado disse...

Guilherme, Into My Arms!
:*
Angie

Receba atualizações por e-mail (vá, não são mais de 2 posts por mês)